top of page

“Ucrânia em Chamas” mostra que o imperialismo é a fonte de todas as guerras


Ucrânia em Chamas mostra a participação dos Estados Unidos em um golpe de estado neste país em 2014

O Google e demais empresas americanas de mídia estão em uma guerra contra a liberdade de imprensa e de expressão.


Toda informação contrária aos interesses da Otan e de seu líder supremo, os Estados Unidos, a respeito do conflito contra a Rússia no território da Ucrânia está sendo caçada e censurada nas redes sociais, em especial no YouTube.


Por enquanto, o alvo majoritário é a língua inglesa. Depois da censura aos canais Russia Today e Sputnik, páginas de outras publicações e de jornalistas independentes de diversas nacionalidades, inclusive a estadunidense, estão sendo bloqueadas. Para isso, basta ser contra a Otan.


A imprensa brasileira progressista deve ficar de olho na escalada deste movimento diante de sua dependência do YouTube. Não é difícil prever que mídias brasileiras em português podem passar pelo mesmo problema.


A ditadura estudidense é o aparato de guerra que o mundo enfrenta hoje: empresas privadas têm o poder de controlar o debate global em nome de uma oligarquia perversa que comanda o país (conhecida também como MICIMATT: Military, Industrial, Counter Intelligence, Media, Academia and Think Tank), capazes de impor controle e sofrimento às populações do mundo inteiro e à sua própria.


Ucrânia em Chamas: um documentário que todo brasileiro deveria ver


Uma das vítimas da censura no YouTube é o documentário Ucrânia em Chamas (Ukraine on Fire, 2016), dirigido por Igor Lapotonok, cineasta e produtor nascido na União Soviética em 1968 (no atual território da Ucrânia).


Seu documentário foca nos acontecimentos que levaram ao golpe de estado contra o governo do presidente eleito, Viktor Yanukovych, em 2014.


De negativo, há algumas escolhas estéticas na forma de efeitos especiais dispensáveis.


De positivo, a capacidade de mostrar como os violentos confrontos entre a polícia e os manifestantes de extrema-direita na Praça Maidan no centro de Kiev (capital do país) foram encenados com o objetivo de derrubar o governo.


Os destaques são os preciosos depoimentos do próprio Yanukovych e de Vladimir Putin, presidente da Rússia, colhidos pelo cineasta norte-americano Oliver Stone. Eles descrevem como funciona o imperialismo norte-americano.


O filme também é um contraponto a um documentário do Netflix chamado Inverno em Chamas (Winter on Fire, 2015), uma mentira pró-imperialista.


O financiamento da mídia, de políticos, de grupos de extrema-direita infiltrados nas manifestações são os ingredientes de uma forma de invasão e de criação de instabilidade social artificial conhecida como “revolução colorida” ou guerra híbrida.


Protegida pela mídia ocidental como uma revolução popular, é um tipo de golpe de Estado roteirizado e encenado por grupos nacionalistas de extrema-direita com apoio e financiamento do MICIMATT.


Para nós, brasileiros, fica impossível não perceber a semelhança entre o golpe sofrido por Viktor Yanukovych em 2014 com o sofrido por Dilma Roussef apenas dois anos depois. A “revolução colorida” brasileira completa sete anos em 2022 longe de uma solução.


Streaming


O documentário Ucrânia em Chamas está no YouTube, Vimeo e outras plataformas.


Aqui, com legendas em português: https://www.youtube.com/watch?v=7RKt94LhReY


Comments


bottom of page